Como os usuários reagiram ao anúncio de volta às aulas em SP?

“O povo ignorou a quarentena” ou “as pessoas nem ligam mais para a pandemia” são frases que provavelmente você ouviu recentemente. Porém no que se baseia esse tipo de análise? Buscando resposta para essa questão, analisei nos últimos quatro dias as reações de usuários no Facebook ao anúncio do possível retorno das aulas estaduais em São Paulo. Como veremos, parte significativa dos usuários se mostra indignada com as medidas, critica a morosidade com a qual o governo enfrenta a pandemia e até mesmo questiona a racionalidade por trás das medidas adotadas pelos governos estadual e municipal.

No gráfico abaixo, 87,29% dos usuários se posicionaram contrários à medida, enquanto 6,19% defenderam – ou melhor, concordaram – com um retorno às aulas nas escolas estaduais. Mas quais os argumentos utilizados por esses usuários?

Retorno às aulas é criticado pela maioria dos usuários dentro da amostra analisada

A revolta dos usuários é acompanhada por uma interpretação dos fatos e uma “boa dose de correlação”. Muitos criticam o retorno às aulas ao mesmo tempo em que o réveillon na av. Paulista é cancelado. Aqui, a preocupação com outras pessoas (profissionais da educação, por exemplo) e com familiares (o risco de contaminação das pessoas que cuidam das crianças fora da escola) é externada diversas vezes.

Um dos argumentos mais impactantes diz respeito à “paciência” no lidar com a pandemia. Diversos usuários relatam que preferem “esperar mais alguns meses” a ter que “enterrar o filho”. Usuários repetidamente respondem “o meu não”, em uma sinalização de que independente do que o poder público definir, inúmeras crianças não voltarão às aulas tão cedo.

Já entre os que de certa forma “apoiam” a decisão, a linha argumentativa é muito mais rasa, impessoal e confusa. Alegam que muitas crianças estariam “andando pelas ruas” e que não estariam respeitando o distanciamento social. Então, para esses usuários, a volta às aulas não seria encarada “apenas como mais uma possibilidade de contaminação”.

PROCESSO

Durante o período de cinco dias coletei os comentários feitos em páginas públicas que veicularam alguma publicação ligada ao tema. Nesse processo foram coletados dezenas de milhares de comentários das mais diversas regiões de São Paulo. Por fim, a análise de sentimento foi parametrizada em um nível de confiança de 95%.