MP que sucateia a CLT e permite saque do FGTS foi publicada; como os usuários reagiram no Twitter?

Perante a “mini-reforma trabalhista” [entenda-se fim da CLT] e a disponibilização do saque de uma parcela do FGTS, muitos usuários utilizaram o Twitter para expressar seu descontentamento com relação à MP.

15698150_10154876932168833_4131713589451138042_n.jpg

O que observamos dessa vez é uma ação massiva da mídia para justificar/apoiar a medida representada no cluster azul. Aqui, Veja, IstoÉ, Exame, Valor Econômico, Folha, Estadão, Época, G1, O Globo, Zero hora, dentre outros, integram um cluster em parceria com Michel Temer e o Planalto. Vale ressaltar que Michel Temer é o único influenciador presente entre os que defendem a medida no grafo a baixo.

O cluster roxo parte de usuários que buscam atacar em especial o FGTS para justificar as medidas adotadas pelo governo Temer. Assumem um papel de especialistas e se propõe a apresentar os fatos de maneira técnica.

Já os ataques contra a MP partiram do cluster amarelo, reconhecidamente de esquerda/progressista e com políticos se posicionando contra, como Requião, Paulo Paim, Maria do Rosário, Paulo Pimenta, Chico Alencar, Bohn Grass, Ivan Valente, entre outros. Soma-se ainda a esse cluster blogueiros e colunistas da mídia independente como Sakamoto, George Marques, ocafezinho, ConversaAfiada, Brasil de Fato e por aí vai.

Outros inúmeros clusters se formaram no entorno da polarização já tão marcante das redes sociais online brasileiras. São, em sua maioria, usuários atacando a MP e em especial o presidente Michel Temer.

Por fim, algumas observações interessantes:

∎ A ausência de qualquer movimento ligado as manifestações que culminaram no impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Aqui, MBL, Vem Pra Rua, entre outros tiveram participação nula e/ou escolheram não se posicionar;

∎ Políticos do PSDB, DEM e PDMB (com exceção do presidente Michel Temer) não se propuseram a defender as medidas no Twitter.

∎ Cada vez mais as críticas à Michel Temer extrapolam o cluster de esquerda/progressistas [marcado por usuários, digamos, cativos] e começa a atingir outros influenciadores que, a partir de seus tweets, passam a formar novos clusters de ataque ao Presidente.

∎ A direita/conservadora no grafo [cluster roxo] apela para uma ‘pseudo-tecnicidade’ de fácil interpretação e compreensão a fim de justificar tais ações do governo Temer. Mesmo que sem embasamento teórico, tais explicações atingem um potencial ‘evangelizador’ quando interpretado por usuários leigos no assunto e que estejam utilizando o Twitter para aprender mais sobre o tema.