#EuApoioJeanWyllys e Pastor Silas Malafaia – 16 a 18/12

Os clusters verde e azul foram formados, principalmente, por meio das menções de usuários de direita/reacionários ao Pastor Silas Malafaia. No entanto há uma diferença interessante entre eles: aparentemente usuários do cluster azul preferem “rifar” o pastor para ter um exemplo de PF “isenta e imparcial”, enquanto usuários do cluster verde partem em defesa do Pastor Silas Malafaia. Ali, usuários como @implicante_org, @CarlosBolsonaro, @o_antagonista e @reinaldoazevedo utilizaram como principal “mote de defesa” do pastor a “ilegalidade da condução coercitiva”- aquela mesma comemorada contra o presidente Lula. Irônico. É importante ressaltar que essa mesma defesa do pastor foi feita – de forma indireta, é verdade – por parte da esquerda que se preocupou em ressaltar a ilegalidade da ação em ambos os casos, Lula e Malafaia.

Silas e Jean.png

A direita ainda encontrou espaço para atacar o deputado Jean Wyllys e as ações em apoio à ele, em uma tentativa de desligitimar a hashtag – ação que mobilizou mais usuários notoriamente de direita/reacionários do que a defesa do pastor [cluster azul].

É interessante observar o quanto a rede progressista se “esbaldou” nos dois temas [cluster amarelo]. Os ataques à Silas Malafaia, no entanto, resultaram em um maior volume de tweets capturados do que as citações em defesa de Jean Wyllys – 34.308 e 15.141 respectivamente.

Outro ponto interessante pode ser observado na Bios dos usuários que se identificaram como sendo do sexo masculino e que compuseram o cluster em defesa ao Pastor Silas Malafaia [cluster verde]. Aqui, minha hipótese previa, termos ligados à religião são maioria: Cristo, Igreja, Cristão, Pastor, Jesus, Servo, Assembleia, Batista, Pastor, Jesus, Criador, entre outros.

15578917_1214628705287763_5686460193953349476_n

No entanto, chama atenção a presença de usuários digamos, engajados politicamente, já que até mesmo em suas bios reforçam o caráter “apartidário” de seus perfis. Todavia, é curioso observar que esses usuários que se auto-identificam enquanto “apartidários“, reforçam os ataques a exclusivamente um partido: PT.

Termos como PT, ForaPT e AntiPT aparecem por entre o mar de menções e termos ligados à religião presente na Bios dos usuários que, no Twitter, se propõe a defender o pastor Silas Malafaia.

MALAFAIA.png