Sem revolta, sem tweets e sem entusiastas online: o fim da Lava Jato

Após ser pauta de mais de 200 mil notícias que geraram 206 milhões de compartilhamentos nos últimos cinco anos, chega ao fim a Lava Jato. Entre os sites que mais geraram shares um se destaca. Entre G1, UOL, Estadão, Veja e Folha lá está o República de Curitiba, com 277 milhões de compartilhamentos nos últimos 4 anos. Coincidência ou não, a audiência – e a produção de conteúdo cai drasticamente após os primeiros episódios da #VazaJato.

República de Curitiba

Os portais que mais ganharam engajamento foram UOL (22.9M), G1 (16.8M), Estadão (10.9M), República de Curitiba (8.8M), Veja (8.4M), Folha (7.8M) e Antagonista (5.4M).

Produção de conteúdo em portais sobre a Lava Jato

As matérias com destaque foram: Michel Temer e Moreira Franco são presos pela Lava Jato do RJ (1.6M), Valor movimentado na Lava Jato soma R$ 8 trilhões (1.3M), Lava Jato é exemplo mundial de combate à corrupção, diz juiz americano (1M), Tribunal unânime impõe a Lula sua mais pesada pena na Lava Jato, 17 anos de prisão (1M) e Desembargador que ampliou pena de Lula assume o ‘Tribunal da Lava Jato’ (1M).

O pico de produção de artigos acontece em fevereiro/17, período de êxtase com a operação, com alertas para a “ofensiva contra a Lava Jato”. Outros, mais empolgados, pediam que a operação “chegasse ao poder judiciário”.

O primeiro pico de compartilhamentos ocorre em março/19, com a prisão de Temer e Moreira Franco. Já o maior pico de compartilhamentos ocorre em junho/19, quando da divulgação da #VazaJato.