A tentativa bolsonarista de cooptar setores da sociedade nas redes

Sobre as convocações para o 7/setembro: não confundam “bolsonaristas infiltrados em categorias” com a noção de “categorias bolsonaristas”. Analisei 1000 publicações nos últimos 28 dias com menções ao 7 DE SETEMBRO no Facebook e explico:

Na série, foram observados sete picos que podem ser divididos em quatro categorias a depender das publicações que geraram esses volumes significativos de interações: EVANGÉLICOS (3), CAMINHONEIROS (2), MILITARES (1) e AGENDA DE BOLSONARO (1).

Nas quatro categorias é interessante observar que não se tratam de lideranças desses setores que passam a apoiar ou manifestar-se em defesa do bolsonarismo, mas sim atores ligados ao bolsonarismo que emulam por meio destas publicações o suposto apoio destas categorias.

É assim com os EVANGÉLICOS (Malafaia e Feliciano), CAMINHONEIROS (Bia Kicis e página “Manifestação Dos Caminhoneiros Do ES”, que pede intervenção militar desde 2015), MILITARES (Jovem Pan News explorando o caso Aleksander Lacerda) e AGENDA DE BOLSONARO (Bia Kicis).

Para além dos sete picos observados no período, observem que o volume de interações sobre o tema registra um aumento no dia 15/08 e, com exceção dos picos registrados, mantém um padrão de interações que varia entre 170 mil e 244 mil interações por dia.

O foco do bolsonarismo é emular a noção de que setores – para além do bolsonarismo – estariam aderindo à causa. Para tal, exploram atores ligados ao bolsonarismo infiltrados nesses setores e que possam reforçar a falsa sensação de adesão de novos atores ao discurso golpista.

Portanto, compreendamos o que o bolsonarismo espera dos atos: mobilizar setores para além do bolsonarismo. Quantidade, nesse caso, não necessariamente significará sucesso ou saldo positivo para Bolsonaro. Essa compreensão será crucial para entender o desenrolar das ações bolsonaristas pelos próximos quatro dias.